segunda-feira, 29 de julho de 2013

sábado, 27 de julho de 2013

Lendas da Nossa Senhora do Castelo (Aljustrel)

Faz parte do imaginário popular, uma lenda que tenta justificar a inclusão na planta da igreja de uma rocha pertencente ao conjunto de afloramentos existentes em todo o morro do Castelo.

Conta essa lenda que em tempos muito recuados, Nossa senhora terá aparecido em cima dessa rocha. Quando foi decidido construir o templo, obviamente que ninguém pensou incluir a dita pedra na sua estrutura, porém, sempre que se começava a erigir a igreja, deixando a pedra de fora , a obra ruia.

Somente quando o templo foi construido, utilizando a pedra como alicerce, o edificio conseguiu aguentar-se de pé.
Uma outra lenda que tem a ver com esta pedra, embora com caracter mais profano, refere que ao encostarmos o ouvido à pedra, podemos ouvir o barulho do mar e que, se porventura, essa pedra fosse arrancada, o mar entraria por aí e alagaria a Vila de Aljustrel.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Gastronomia Tradicional Alentejana - Açorda de Lebre com Nabiças

Ingredientes:
Para 10 pessoas
2 Lebres
2 Cebolas
2 dl. de Azeite 0,7º
1 dl. de Vinagre de Vinho
1 cabeça de Alho
2 folhas de Louro
Q.B. Sal
Q.B. Pimenta
2 molhos de Nabiças
1 l. Vinho Tinto do Alentejo
4 Nabos
1 Pão Alentejano de Véspera


Preparação:
Cortar a Lebre e temperar com Sal, Pimenta, Cebola, Vinho Tinto e Louro, ficando nesta marinada durante 24 horas.
De seguida coloca-se a Lebre no tacho com todos os ingredientes e um pouco de água, deixa-se cozinhar em lume brando e quando esta estiver quase cozida junta-se o vinagre, as Nabiças e o nabo cortado aos quadrados.
Verifica-se os temperos e serve-se sobre as fatias de pão.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Largo em Estremoz, junto à Ig. de S. Francisco


Autor David Freitas
Data Fotografia 1960 - 1970
Legenda Largo em Estremoz, junto à Ig. de S. Francisco
Cota DFT628 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

domingo, 21 de julho de 2013

Palheiro e carros de mula


Autor David Freitas
 Data Fotografia 1950 - 1960 
Legenda Palheiro e carros de mula 
Cota DFT7904 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Baleizão - Beja


quarta-feira, 17 de julho de 2013

Lenda da Ponte da Portagem (Marvão)

Diz a lenda que amofinados porque o Sever, ainda aqui simples Ribeira de Marvão, durante as quadras outonal, invernosa e primaveril, não dava fácil passagem a vau, obrigando a largos rodeios, os habitantes da região assentaram de, à custa de sacrifícios embora, construírem uma ponte.
Discutia-se acaloradamente os meios mais próprios de efectivar tão útil empreendimento, quando um cavaleiro desconhecido […] se prontificou a fazer pronta e seguramente a ponte.
Apenas punha uma condição, a seu ver de pequena monta – a entrega das almas de toda a população que nada sofreria nesta vida, aplanadas todas as dificuldades por D. Belzebut […].
Crentes fiéis de Mafoma, os habitantes pouco hesitaram na resolução. […] E Satanás, lá se deixou embair mais uma vez, aceitando a condição de que a paga, estipulada para o seu enorme trabalho, só seria devida se a ponte se iniciasse e completasse desde o pôr ao nascer do sol consecutivo.
Como homem de recursos, Lúcifer […] conseguiria triunfar se Mahomet, constantemente assediado pelos seus crentes, cuja lamúria crescia há medida do rápido progredimento da obra, se não resolvesse a intervir, extraviando a pedra que falta e impedindo que antes do nascer do sol a ponte estivesse de todo pronta.

Versão literária de proveniência desconhecida, publicada por Alexandre de Carvalho Costa (1982) – Marvão, suas freguesias rurais e alguns lugares, s/l, Câmara Municipal de Marvão: 33 – 34.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Gastronomia Tradicional Alentejana - Carneiro Assado à moda do Alentejo

Ingredientes:
2 pernas de carneiro ;
6 dentes de alho ;
1 ramo grande de salsa ;
4 cebolas ;
150 g de banha ;
2 folhas de louro ;
pimenta ;
4 cravinhos ;
1 colher de sopa de massa de pimentão ;
1 colher de sopa de colorau ;
1,5 dl de vinho branco ;
sal

Preparação:
Pisam-se num almofariz, até fazer papa, os dentes de alho, um ramo de salsa e sal. Barram-se as pernas do carneiro com esta papa e colocam-se numa assadeira de barro. Espalham-se por cima as cebolas ás rodelas, a banha aos bocadinhos, as folhas de louro cortadas ao meio, pimenta em pó, os cravinhos, o pimentão e o colorau. Junta-se ainda um ramo de salsa inteiro e
rega-se tudo com o vinho branco e uns pinguinhos de água.
Leva-se a assar no forno.
Acompanha-se com batatas fritas ou assadas no próprio e salada de alface.
Este assado é prato obrigatório em todas as festas importantes, em casamentos e baptizados.

sábado, 13 de julho de 2013

Pic-nic no campo


Autor Desconhecido/ não identificado 
Data Fotografia 1888 - 1960 
Legenda Pic-nic no campo 
Cota CME0180 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Nave da Igreja do Cv. St. António


Igreja do Convento de Santo António, em Montemor-o-Novo: corpo na nave, forrado por silharia azulejar de tapete polícromo.

Autor David Freitas
Data Fotografia 1971 -
Legenda Nave da Igreja do Cv. St. António
Cota DFT4489 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

terça-feira, 9 de julho de 2013

domingo, 7 de julho de 2013

Lenda da Ponte da Portagem (Marvão)

A ponte romana da Portagem tinha que ser feita numa só noite.
Eram quatro galos e não sabiam qual cantava primeiro. Então os mouros meteram mão ao trabalho, porque, se cantasse o galo preto, tinham que largar tudo, pois corriam perigo.
Mas por sorte cantou primeiro o galo amarelo e gritaram todos:
“Trabalha o martelo!”
E continuaram com toda a pressa. E cantou o galo pedrês:
“E toca a trabalhar a torquês!”
E ainda com mais pressa porque já tinham cantado dois galos. E cantou o galo branco e gritaram todos:
“Ainda não me espanto!”
E mais pressa tinham. Só faltava o preto que era o do perigo. E lá canta o preto.
“Oh, com esse não me meto!”
Toca a largar tudo sem tão pouco olhar para trás.
E assim sendo, conta a lenda que ficou a ponte por acabar, pois faltava colocar a última pedra.


Versão de Portalegre, registada em 2001 por Rita de Jesus Cordas Barroqueiro (n. Reguengo, 1934) e transcrita por Ruy Ventura (2005) – Contos e Lendas da Serra de São Mamede, antologia breve, Almada, Associação de Solidariedade Social dos Professores: 81.

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Gastronomia Tradicional Alentejana - Açorda com Carnes (Baixo Alentejo)

350 g de pão de véspera
1 fatia grossa de toucinho com algum sal
150 g de presunto
100 g de chouriço magro
sal e pimenta em grão


Demolhe o pão em água fria. Corte o toucinho em pequenas falhas e derreta-o bem, dentro de um tacho de barro. Junte-lhe o presunto cortado em quadradinhos e o chouriço cortado em rodelas. Frite em lume brando, sem deixar secar. Adicione então o pão demolhado, bem espremido entre as mãos. Rectifique o sal e tempere com pimenta acabada de moer. Cozinhe durante alguns minutos, mexendo constantemente com uma colher de pau, para evitar que adira ao fundo do tacho. Sirva de imediato.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Homens junto a vara de porcos


Autor Desconhecido/ não identificado 
Data Fotografia 1888 - 1960 
Legenda Homens junto a vara de porcos 
Cota CME0181 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Cine-Teatro Curvo Semedo, em Montemor-o-Novo


Cine-Teatro Curvo Semedo, em Montemor-o-Novo. O projecto é da autoria do Arquitecto Rui Lino e a sua construção iniciou-se em 1925. Foi inaugurado em 1960. (Original: negativo de película em acetato, preto e branco, formato 9x12cm)

Autor David Freitas
Data Fotografia 1960 - 1970
Legenda Cine-Teatro Curvo Semedo, em Montemor-o-Novo
Cota DFT5241 - Propriedade Arquivo Fotográfico CME
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Recomendamos