quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Postais do Alentejo - Alvito - Castelo de Alvito


segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Praceta D. Mª do Carmo H. Barroso


sábado, 27 de janeiro de 2018

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Jardim


quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Aldeia Nova de S. Bento. Moinho


terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Cruzeiro e Capela


domingo, 21 de janeiro de 2018

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Torre da Igreja de São Francisco


sábado, 20 de janeiro de 2018

Castelo de Vide - Bailes de Carnaval - 1 e 8 de fevereiro


Castelo de Vide festeja o Carnaval - 9 a 13 de fevereiro


Elvas - Comemorações do 359º Aniversário da Batalha das Linhas de Elvas


As comemorações dos 359 anos da Batalha das Linhas de Elvas decorrem ao longo do mês de janeiro, com diversas atividades previstas e em várias vertentes. 

As iniciativas têm início no dia 13, sábado, com a inauguração da exposição de fotografia “#Pelo Meu Olhar // Imagens Solidárias// Paisagens, Rostos e Palavras Por uma Causa.”, com fotografia de Sónia Lourenço e textos de Nuno Pires, Luísa Currito, João Vinagre, Pedro Inocêncio e Renata Oblié e conta ainda com a participação especial de Ana e Rui Magarreiro. A mostra vai ficar patente ao público, na Casa da Cultura, até 3 de fevereiro, e a totalidade das vendas reverte a favor da APPACDM de Elvas e Centro de Acolhimento “Os Cucos”. A inauguração está marcada para as quatro da tarde.

O ponto alto das comemorações acontece, no feriado municipal, 14 de janeiro, domingo, com o programa a ter início pelas 9.30 horas, com o hastear das bandeiras, nos Paços do Concelho, com a participação da Banda 14 de Janeiro. Meia hora depois, no Sítio dos Murtais, decorre a romagem ao Padrão comemorativo da Batalha das Linhas de Elvas e Cerimónia de Homenagem aos Mortos, e, pelas 10.30 horas, a romagem ao Túmulo do General André de Albuquerque Riba-Fria, no Convento de São Francisco. 

As cerimónias militares e militarizadas, na Praça da República, têm início pelas 11 horas, seguindo-se pelas 12 horas, o desfile das Forças em Parada, na Rua da Cadeia.

À tarde, na Igreja da Sé acontece um Te Deum de Acção de Graças, com a participação do Coral Públia Hortênsia de Castro, a partir das 18 horas, culminando o programa comemorativo com o já tradicional Concerto da Orquestra Ligeira do Exército, no Cine-Teatro Municipal, pelas nove e meia da noite. Os bilhetes para este concerto podem ser recolhidos no Posto de Turismo da Praça da República, ao longo desta semana.

Neste dia, são ainda assinalados o 140º aniversário do Centro Artístico Elvense, na Praça da República, às quatro da tarde, e o 63.º aniversário da Banda 14 de Janeiro, a partir das 19 horas, na sede da coletividade, na Rua Sá da Bandeira.

O programa prossegue no dia 20 de janeiro, sábado, pelas 21.30 horas, com a apresentação do novo CD de Jorge Goes, “Fado Novo Fado Velho”, no Cine-Teatro Municipal. Este espetáculo tem entradas gratuitas, sendo que os bilhetes podem ser recolhidos, na semana anterior, no Posto de Turismo da Praça da República.

No domingo, dia 21, têm lugar a Corrida e Caminhada das Linhas de Elvas. A caminhada, na sua 14ª edição, parte do Padrão da Batalha das Linhas de Elvas, e tem chegada no Estádio Municipal de Atletismo, pelas 10 horas. Uma hora depois tem início a 26.ª Corrida das Linhas de Elvas, também com partida do Padrão da Batalha das Linhas de Elvas e chegada ao Estádio Municipal de Atletismo. Para os escalões mais jovens, as provas da corrida têm lugar no Estádio Municipal de Atletismo.

As comemorações encerram a 27 de janeiro, sábado, com a representação da peça de teatro “Filho da Treta”, a partir das nove e meia da noite. Este espetáculo tem entradas pagas e pode adquirir o seu bilhete no Posto de Turismo, a partir de dia 15 de janeiro, e na bilheteira do Cine-Teatro, uma hora antes do início do espetáculo.

Inserido neste programa comemorativo dos 359 anos da Batalha das Linhas de Elvas, está a decorrer o segundo Festival de Cinema de Guerra da Raia, entre 5 e 27 de janeiro, no Auditório São Mateus, com programa próprio.

Informação retirada daqui

Elvas - "Filho da Treta" no Cine-Teatro Municipal de Elvas


A peça de teatro "Filho da Treta" vai estar em palco a 27 de janeiro, sábado, pelas nove e meia da noite, no Cine-Teatro Municipal de Elvas, numa produção da Força de Produção, com José Pedro Gomes e António Machado.

A peça, uma comédia, aborda alguns temas do dia-a-dia de forma hilariante. "Antigamente, a vida era uma selva. Agora, a vida é uma selfie. Toda a treta se dispersou e cresceu nas redes sociais e os especialistas têm tido alguma dificuldade em encontrar a genuína conversa da treta. Mas quem é vivo sempre falece, e também sempre aparece. Nada se perde, tudo se transforma – o código genético da Treta renasce em 2016 com a assustadora e nada aguardada peça de teatro. Zezé (José Pedro Gomes) prossegue a sua luta contra o bom-senso, a solidariedade, o trabalho e outros conceitos primeiro-mundistas, desta vez na companhia de Júnior (António Machado) que anda de bicicleta desmontável. Zezé, ao nível da deslocação, continua a polir a ponta do sapatinho de verniz com cuspe. Mas é um cuspe mais sábio..."

Em palco, e "numa comovente irritação entre duas gerações perdidas, discutem-se as tascas gourmet, os refugiados, os paus de selfie, as novas famílias e outras pragas que assolam o mundo moderno deste saudoso bairro em vias de extinção.".

O texto é de Filipe Homem Fonseca e Rui Cardoso Martins, com encenação de Sónia Aragão, música de Bruno Vasconcelos e Nuno Rafael, desenho de Luz de Luís Duarte e figurinos de Fernanda Ramos.

A iniciativa tem entradas pagas, estando os bilhetes à venda no Posto de Turismo da Praça da República ao longo da semana e uma hora antes do espetáculo na bilheteira do Cine-Teatro Municipal de Elvas.

O espetáculo está inserido no programa de comemorações dos 359 anos da Batalha das Linhas de Elvas.

Informação retirada daqui

Mourão - Nª Srª. das Candeias 2018


Programa das Festas em Honra de Nª. Srª. das Candeias 2018
De 24 de Janeiro a 1 de Fevereiro
21h00m – Novena de Preparação para a Festa.

30 de Janeiro – Terça-Feira
21h00m – A Novena será preenchida com Celebração Penitencial.

1 de Fevereiro – Quinta-Feira
09h30m – Alvorada/Arruada pela Banda Municipal Mouranense.
11h00m – Inauguração da Exposição de Tauromaquia.
(Espólio do Mouranense Manuel Ralo). - Galeria Municipal
15h00m – Festival Taurino.
21h00m – Encerramento da Novena de Nª. Sª. das Candeias.
23h00m – Concerto pela Banda Municipal Mouranense, seguido de Fogo de Artifício.

(Jardim Municipal)
00h00m – Espetáculo Musical: AL CANTI
00h45m – Espetáculo Musical: FIESTA LUSA
02h00m - Animação Musical com: DJ’S FULLBEATS e DJ BAJUKA

2 de Fevereiro – Sexta-Feira
12h00m – Missa Solene da Festa.
17h00m – Grandiosa e imponente Procissão, terminando com Espectáculo de Fogo-de-Artifício.
22h30m – Espetáculo Musical com: CUCA ROSETA
24h00m – Espetáculo Musical com: MIGUEL AZEVEDO e sua BANDA

3 de Fevereiro – Sábado
15h00m – Leilão de oferendas.
15h30m – Espetáculo Musical com: DE MODA EM MODA
23h00m – Espetáculo Musical com: RAYA REAL
00h00m - Animação Musical com Dj’s: PIMBA CHIC (QUIMBÉ E RUBIM)

4 de Fevereiro – Domingo
15h00m - Festival Taurino. (Praça de Touros - Ver Programa Próprio)
22h00m - X Festival de Música da RC Alentejo (Comemoração dos 39 anos de carreira de Fernando Correia Marques e seus convidados)

Informação retirada daqui

Bem-vindos a Redondo

Reguengos de Monsaraz promove marca “Capital dos Vinhos de Portugal” na FITUR


O Município de Reguengos de Monsaraz vai estar presente nos dias 20 e 21 de janeiro na FITUR – Feira Internacional de Turismo de Madrid, integrado no stand de Portugal. A autarquia vai promover no maior certame turístico da Península Ibérica a marca "Reguengos de Monsaraz - Capital dos Vinhos de Portugal" e as potencialidades turísticas do concelho.

José Calixto, Presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, esteve ontem na abertura da FITUR com o Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e a Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho. Durante dois dias, o município vai divulgar aos visitantes da feira e aos profissionais do setor turístico todo o património megalítico, paisagístico e arquitetónico, a hotelaria e a restauração, a praia fluvial de Monsaraz, a vila medieval de Monsaraz, os vinhos e o azeite, a doçaria e o Centro Oleiro de S. Pedro do Corval, considerado o maior de Portugal com 22 olarias em atividade.

A autarquia convidou várias empresas de Reguengos de Monsaraz para divulgarem os seus serviços e produtos na FITUR. Assim, vão acompanhar o município um oleiro da Olaria Tavares, que vai estar a trabalhar ao vivo no certame, o Hotel São Lourenço do Barrocal, os produtores de vinho CARMIM e Ervideira, a Reserva Dark Sky Alqueva e o Observatório do Lago Alqueva, a Fábrica Alentejana de Lanifícios que produz as mantas de Reguengos de Monsaraz e três operadores de passeios de barco no Grande Lago, nomeadamente a NautiMonsaraz, a Alqueva Cruzeiros e o veleiro Sem-Fim.

A FITUR tem a participação de mais de 10 mil empresas de 165 países e regiões e prevê superar os 244.972 visitantes registados na edição de 2017, incluindo mais de 135 mil profissionais do setor turístico. Cerca de 800 expositores apresentam em Madrid as últimas propostas, destinos e novidades do turismo mundial, permitindo aos agentes desta industria a realização de muitos contactos e negócios.

Informação retirada daqui

Ourique - José Cid em concerto solidário a favor dos Bombeiros


Os Bombeiros Voluntários são um pilar cívico e de proteção das nossas comunidades. Esse exemplo de cidadania e de resposta de emergência, sem olhar a quem, esteve mais uma vez presente no verão trágico do ano passado e em tantos momentos dos 365 dias do ano em que existem ocorrências que exigem proteção civil e socorro.


Todas as comunidades são devedoras de um reconhecimento público e de um esforço de apoio à capacidade operacional e à prontidão dos Bombeiros Voluntários.


O Município de Ourique mantém uma relação institucional permanente com os Bombeiros Voluntários de Ourique, materializada em apoios correntes e excecionais.


Na última edição das Festas de Santa Maria, o cantor José Cid assumiu o compromisso de realizar um concerto solidário a favor dos Bombeiros voluntários da nossa terra, como reconhecimento pela sua importância social.

O concerto solidário de José Cid a favor dos Bombeiros Voluntários de Ourique decorrerá no próximo dia 28 de janeiro de 2018, domingo, pelas 16 horas, no Cine-Teatro Sousa Telles, em Ourique, tendo os ingressos um custo de 10 euros, receita que terá como destino a nossa Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários.

Os bilhetes estão à venda a partir de 16 de janeiro de 2018, no Cine-Teatro Sousa Telles.

O Município de Ourique sublinha uma vez mais a nobreza cívica do contributo das mulheres e dos homens que integram os Bombeiros Voluntários de Ourique, agradecendo igualmente o gesto altruísta do cantor José Cid e da sua equipa na concretização de mais um espetáculo cultural no Cine-Teatro Sousa Telles, em Ourique.

O Município de Ourique agradece, igualmente, o contributo solidário das Casas de Campo Castro da Cola que, desde o primeiro momento, se associaram ao evento, oferecendo as estadias da comitiva do concerto.

Com o contributo de cada um como parte integrante da comunidade, certamente estaremos a gerar maior capacidade de resposta no presente e mais futuro para Ourique.

O Município de Ourique continua a concretizar políticas autárquicas centradas nas pessoas, na valorização do território e na afirmação de Ourique e do seu Mundo Rural.

Informação retirada daqui


Portalegre - Exposição fotográfica ilustra a importância da mulher na sociedade e no trabalho


A exposição fotográfica "A mulher, a sociedade e o trabalho", organizada numa parceria entre a Câmara Municipal de Portalegre e a Grande Loja Feminina de Portugal será inaugurada este sábado, dia 13 de janeiro, pelas 15h00, na Sala de Exposições Temporárias do Museu Municipal de Portalegre.

Esta exposição insere-se nas comemorações do centenário de abertura ao público do Museu Municipal de Portalegre e do 20º aniversário da Grande Loja Feminina de Portugal, estará patente até ao dia 31 de março de 2018.

Numa altura em que tanto se fala, e bem, na participação da mulher na vida e na sociedade, entendeu a Câmara Municipal trazer a Portalegre esta mostra, propriedade da Grande Loja Feminina de Portugal, onde fotografias da autoria de Joshua Benoliel ressaltam a crescente importância do papel da mulher, na sociedade e no trabalho, no início do séc. XX.

Associado a esta exposição irá ser realizado um ciclo de conferências, em que serão focados temas baseados na mulher, a sociedade e o trabalho. Na primeira conferência, proferida por Isabel Maria Corker, Grã-Mestra da Grande Loja Feminina de Portugal, será abordado o tema "A mulher e o trabalho", que terá lugar no mesmo dia da inauguração da exposição.

Informação retirada daqui

Portalegre - Exposição de Fotografia de Arquitectura Religiosa


sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Paisagens Naturais - Alter do Chão


O Património natural de Alter do Chão possui uma forte associação com o património cultural e histórico do Concelho. Este, caracterizado por uma beleza ímpar e natural, com uma paisagem dominada pelo montado. O concelho possui um ponto obrigatório de visita - o lugar de Alter Pedroso. De onde se pode contemplar a cada olhar, histórias de outros tempos, vestígios de um passado sempre presente onde a paisagem se estende de tal forma que, agradecemos o motivo que nos levou a visitar esta terra de história viva.

Alter do Chão apresenta uma riqueza natural que tornam o concelho muito interessante do ponto de vista do património ambiental e da conservação da natureza. A diversidade natural e paisagística associada ao património cultural e à qualidade ambiental, constituem um excelente motivo para visita.

A riqueza em espécies cinegéticas, como a perdiz, coelho-bravo, a lebre e o javali, espécies que manifestam uma ocupação variável ao longo dos anos mas sempre presentes, promovem o turismo cinegético.

Os amantes das aves encontram em Alter do Chão o local perfeito para praticar a atividade de Birdwatching. Um local perfeito para passear e facilmente observar aves como a Abetarda, Calhandra – real, Mergulhão-de- crista, Corvo-marinho, Pato-real, Pato trombeteiro e diversas aves de rapina, destacando o Milhafre- real, a Águia-d’asa-redonda e a Águia-calçada. Uma lista infindável de aves que podem ser avistadas principalmente no Inverno e Primavera.

Na flora é importante referir a riqueza e importância da vegetação natural, como o sobreiro, a azinheira e a oliveira, tão típicas da planície alentejana. O espargo, a beldroega, o poejo, a hortelã da ribeira, a carrasquinha são espécies que abundam no campo e que são fortemente aproveitadas na nossa gastronomia.

Junto à Ponte Romana de Vila Formosa na estrada para a Ponte de Sôr e junto ao Porto das Passadeiras na estrada de Seda junto à Herdade de Vale de Barqueiros.
Ribeira de Seda e Mato de Alter – Na estrada que liga Alter do Chão a Aldeia da Mata, estrada municipal n.º 534 e que serve a Coudelaria.

Informação retirada daqui







Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Depósito da água, Largo dos Madalenos


quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

A Origem de Ourique


A fundação de Ourique é tradicionalmente datada de 711, ano da entrada dos muçulmanos na Península Ibérica. Contudo, vários factores apontam para uma existência mais recuada.

São conhecidos diversos assentamentos populacionais, desde os tempos pré-históricos, locais documentados por diversas campanhas arqueológicas. Desde o Paleolítico, Calcolítico, Idade do Ferro e do Bronze, às presenças proto-históricas, romanas, celtas, árabes, um grande número de povos se cruzaram nestas terras.

Quanto à origem do topónimo de Ourique, esta poderá estar entre Ouro (pela proximidade com explorações auríferas) e Orik (da palavra árabe para desgraça ou infortúnio, no seguimento da derrota mourisca na Batalha de Ourique).

Dever-se-á também aos muçulmanos a edificação do Castelo de Ourique, estrutura militar lendária e que ainda hoje preenche memórias. Este Castelo terá, com toda a probabilidade, alternado várias vezes entre o Crescente e a Cruz, consoante a sorte de armas. Nos tempos da reconquista teria um papel essencialmente de atalaia defensiva, tendo como guarda avançada o Castro da Cola. Uma das referências mais importantes a essa fortificação é feita pelo cronista árabe Ahmed Benmohmed Arrazi que, no século X, se lhe refere como um dos mais fortes do termo de Beja. 

A importância geográfica e estratégica de Ourique e do seu território, ou termo, é reconhecida ao longo dos séculos, pelo que sempre desempenhou ao Sul um importante papel militar e comercial, ao estabelecer ligação com o vale do Sado e com a serra algarvia. 

Desta forma, constituiu-se como uma das componentes centrais na conquista do território aos muçulmanos, tendo sido testemunha da célebre Batalha de Ourique. 

A Batalha de Ourique, ocorrida nos Campos de Ourique a 25 de Julho de 1139, foi decisiva para a Independência de Portugal. Lideradas por Afonso Henriques, as tropas cristãs venceram com grandes dificuldades os muçulmanos comandados pelo governador de Santarém. 

Segundo a lenda, antes da refrega Cristo terá aparecido a Afonso Henriques, garantindo-lhe a vitória, confiando nas motivações religiosas que moviam o nosso Príncipe. Desta forma, a Batalha que se seguiria estava, de certa forma, protegida pelo poder divino. A vitória em toda a linha contra os “cinco reis mouros”, permitiu que em seguida e em pleno campo da peleja, Afonso Henriques fosse aclamado pelo seu exército como Rei de Portugal.

As Armas da Vila de Ourique evocam este passado glorioso: num campo de sangue, um guerreiro (representando El-Rei D. Afonso Henriques), vestido de ferro, com o braço direito levantado empunhando uma espada, monta um cavalo, sobre terra firme. 

Informação retirada daqui

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Barrinho, Porta típica e Casa do Barrinho


terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Conferência de Arqueologia em Beja - 18 de janeiro


segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

O Concelho do Alandroal


A partir da reforma administrativa de 1836 o concelho integrou o território dos concelhos vizinhos de Terena e Juromenha, constituindo actualmente um espaço administrativo único com cerca de 545 Km2.

Localizado no limite oriental do Alentejo Central (Distrito de Évora), a sua fronteira com Espanha, a Este, é assinalada pela barragem de Alqueva, que desde 2002 oculta o Rio Guadiana. Este grande curso de água e a Serra d`Ossa, a Noroeste, marcam a paisagem, onde os solos pobres e xistosos predominam, interrompidos porém por bons solos agrícolas, característicos da zona granítica a Sudoeste do território ou, ainda, dos depósitos terciários relacionados com a Falha de Messejana que atravessa o concelho.

O clima é determinado por um estio seco e quente e baixas temperaturas no Inverno; a Primavera é exuberante, os campos enchem-se de flores e os ribeiros correm, criando uma paisagem de abundância efémera.

Os terrenos de menor aptidão agrícola são ocupados por montado de azinho, plantações de eucalipto e mato denso de estevas e tojos, enquanto que nos melhores solos se cultivam milho, forraginosas, pomares, olival e alguns cereais. 

 Os recursos mineiros – em particular o ferro e o cobre- tiveram em tempos grande relevância na economia local, existindo vestígios de actividade mineira de diferentes épocas. Actualmente os serviços, a par da agricultura, ocupam a grande parte da população empregada.

Terra de cantadores e artífices, o Concelho do Alandroal oferece igualmente uma diversidade gastronómica típica da comida alentejana; para além do porco e dos seus enchidos, do borrego e das sopas tradicionais, do queijo e do mel, apresenta uma variedade de pratos confecionados com peixe do rio.  Muitas são as alternativas para comer, ficar e desfrutar oferecidas pelos vários restaurantes e alojamentos que se distribuem pelo concelho.

Informação retirada daqui

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Rua da Igreja


sábado, 13 de janeiro de 2018

Alandroal - História do Concelho


O Alandroal foi fundado em 1298 por D. Lourenço Afonso, Mestre de Avis, e, em 1486, recebeu foral.

Nas terras deste concelho crescem aloendros, ou alandros, cuja madeira é usada no artesanato local, e daí a origem do topónimo.
Como acontecimento de destaque, merece referência a explosão de um armazém de pólvora, ocorrida a 14 de janeiro de 1659, que causou vários mortos, na generalidade estudantes universitários de Évora, capitaneados pelo jesuíta Pe. Francisco Soares, e que estavam a substituir o exército que lutava pela vitória na Batalha das Linhas de Elvas.

No que se refere ao património histórico e monumental, salienta-se o Castelo de Alandroal, onde se destacam a porta flanqueada por torres e um arco em ferradura, de mármore da região; o Castelo de Terena, formado por recinto amuralhado, com cubelos, torre de menagem e duas portas, uma flanqueada por torres; e a Fortaleza de Juromenha, cujas obras abaluartadas foram construídas durante a Guerra da Restauração e fizeram descer as linhas defensivas até uma relativa proximidade do rio Guadiana, sendo uma linha fronteiriça natural. Das ruínas existentes destacam-se a antiga Câmara e a Casa do Senado.

O Santuário de Nossa Senhora da Assunção da Boa Nova tem um significado patriótico e religioso. Em 1340 os Mouros invadiram a Andaluzia, e a rainha, mulher de Afonso XI de Castela, mandou ali construir a atual igreja, pela ajuda que o rei prestou ao genro Afonso IV, na batalha do Salado. É um templo gótico do século XIV, ameado e com matacães. Está classificado como monumento nacional.

Os numerosos vestígios megalíticos são também dignos de referência.

Informação retirada daqui

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Rossio Pequeno


quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Vistas varias - Cerca de 1978


domingo, 7 de janeiro de 2018

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Uma chaminé Alentejana de 1790


sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Rua da Atafona


quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Postais do Alentejo - Vila Nova de São Bento - Rua Dr. Albérico A. N. de Figueiredo (Antiga Rua das Pedras).


segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Recomendamos